CBÜ Bed Eğt Spor Bil Dergisi

Üye profili

LorenaGuterres Jaques

Öz Geçmiş Deficiência De Ferro No Organismo

Organismo adulto contém de 3 a 5 g de ferro, aproximadamente 2.000 mg como hemoglobina e 8 mg como enzimas. A anemia devida à deficiência de vitamina B12 é freqüente em idosos. A descoberta da AIDS( Síndrome de Deficiência Autoimune) em 1978 é relativamente recente na medicina quando é relatado os primeiros casos nos Estados Pesquisadores do Centro de Controle de Doenças, nos Estados Unidos.

Ter uma dieta com baixas quantidades em ferro, vitamina B12 e ácido fólico aumenta risco de anemia. A deficiência de ferro pode ser também agravada por uma alimentação deficiente em proteínas, ácido fólico, e vitaminas B12, B6 e C. A anemia é uma doença em que existem muito poucos glóbulos vermelhos no sangue.

À endoscopia, a mucosa do intestino delgado aparece aplanada ou escavada ou pode, ainda, estar normal. As biópsias demonstram enterite difusa, com importante atrofia ou perda total das vilosidades. epitélio superficial mostra degeneração vacuolar, perda das microvilosidades da borda em escova e aumento dos linfócitos intra-epiteliais. As criptas, por outro lado, exibem atividade mitótica aumentada e estão alongadas, hiperplásicas e torturosas, de forma que a espessura da mucosa permanece a mesma. A lâmina própria mostra aumento do plasmócitos linfócitos, macrófagos, eosinófilos e mastócitos. Todas as alterações são mais marcantes no intestino delgado proximal que distal, já que são duodeno e jejuno proximal que ficam expostos às concentrações mais altas do glúten alimentar. Embora estas alterações sejam características da doença celíaca, podem ocorrer em outras doenças, especialmente no espru tropical.

Para melhorar a absorção do ferro não-heme, uma boa fonte de vitamina C deve ser incluída na dieta. A lista de alimentos fontes de vitamina C vai além dos sucos cítricos frescos, estendendo-se a outras frutas como morango e a goiaba, entre tantas outras, além de hortaliças frescas (como a couve, por exemplo). A maioria dos alimentos que são frescos, são ricos em anemia ferropriva vitamina C. Para que a vitamina C tenha ação na absorção do ferro, é importante que ela seja consumida na mesma refeição rica em ferro, e não em uma refeição separada. A distribuição dos alimentos fontes de ferro ao longo de refeições distintas (ao invés de concentrados em uma única refeição) é outro fator importante para otimizar a absorção do ferro não-heme.

sulfato ferroso pode trazer alguns inconvenientes com seu uso como náuseas, indigestão, constipação e diarréia que, em geral, são proporcionais à quantidade de ferro ingerida. Pode-se tentar solucionar esse problema através de um aumento gradativo das doses sintomas da falta de ferro e do escalonamento nas doses ao longo do dia. Caso essas medidas não resolvam, pode-se substituir sulfato ferroso pelo gliconato ferroso, entretanto, devido ao seu menor conteúdo de ferro elementar exige um tratamento mais prolongado (OLIVEIRA, 2007).

Tendo também cuidado de deixar feijões e outras leguminosas de molho, na noite anterior ao consumo (cozinhando no dia com uma água nova) Dicas de Saúde para diminuir a quantidade de fitato presente no alimento, substancia esta que prejudica a absorção de ferro e zinco, por exemplo.

Esse nutriente atua juntamente com os folatos. De acordo com a nutricionista Mayumi Shima, a deficiência de vitamina B12 causa danos ao metabolismo do folato e resultado é que lemos anteriormente - a produção de glóbulos vermelhos e transporte de oxigênio ficam prejudicados.

A falta de ferro no organismo não leva apenas a queda de cabelo, mas outros problemas graves como anemia, fadiga, e funções cognitivas reduzidas. Já excesso de ferro pode ser mais raro, mas não menos nocivo, afetando sistema gastrointestinal, sistema nervoso, e os rins, com disfunção de suas atividades.

Entre os alimentos não apreciados pelos adolescentes, encontram-se as hortaliças, vegetais verdes folhosos e frutas, que representam fontes ricas de vitaminas e minerais. Essa atitude de rejeição aliada à ingestão freqüente de alimentos refinados e industrializados contribui para uma ingestão deficiente de vitaminas e minerais, alem de determinar um baixo teor de fibras na dieta (COSTA; SOUZA, 2005, p. 187).

A fortificação de alimento vigente no Brasil, desde junho de 2004, consiste em uso obrigatório de compostos de ferro e ácido fólico nas farinhas de milho e trigo (100 g do produto contêm 4,2 mg de ferro e 150 μg de ácido fólico). Outros alimentos industrializados fortificados com ferro são: biscoitos, cereais, temperos como molho de soja, leite ou derivados. Estes alimentos foram escolhidos para fortificação pelo baixo custo, por pertencerem à dieta habitual e por serem de fácil acesso para a população.